2018: Ano das Redes de Relacionamentos


2018: Ano das Redes de Relacionamentos

Existem algumas verdades universais que precisam ficar em nossos radares. Uma delas é que 2018 será o ano em que os relacionamentos mais fortes vão sobreviver ao marasmo econômico e social, vão propiciar negócios, parcerias valiosas e boa reputação na praça.
Quando a economia mantêm-se estagna é hora de verificar quais recursos internos podemos aproveitar melhor, transformando-os em dinheiro ou descontos. Em São Paulo, por exemplo, mais de R$ 20 bilhões foram gerados entre 2016 e 2017, em eventos de negócios (feiras e confrarias) – frutos do relacionamento profissional entre empresários(as), empreendedores(as) e executivos(as). Você também faz parte de alguma organização, grupos ou confrarias?
A expectativa com esse tipo de moeda – mais antiga mesmo que a própria moeda física – é de que no ano que vem o ‘mercado do relacionamento’ cresça mais de 25%. Voltamos ao tempo do escambo? Não, estamos na Era da cooperação, em que é mais vantajoso conseguir resultados para todos do que somente para si.
Networking: Como abocanhar um pedaço desse mercado, com foco em relacionamentos?
Manter-se presente nos principais eventos profissionais ou em confrarias temáticas. Essas são excelentes iniciativas para que inicie o verdadeiro network e descubra onde estão seus clientes, parceiros e influencers.
A conexão com profissionais de diversos lugares, pensamentos, conhecimentos e filosofias nos ajuda muito a conquistar aliados(as) na hora de conseguir um bom emprego; no momento em que precisa ser indicado(a) para negócios e para fazer novos amigos, inclusive – por que não?

Quem são as pessoas que acumulo há anos nas redes sociais, agendas e e-mail?
Há ferramentas no mercado de serviços de Comunicação e Networking que são capazes de nos ajudar a desvendar: "Quem são as pessoas acumuladas por tantos anos em nossas agendas eletrônicas, redes sociais e até na conta de e-mail? Para que elas servem? Por que me seguem?
Essas dúvidas me geraram curiosidades e fui verificar.

Unificando as redes sociais, analisei mais de 8.000 seguidores e quem eram as pessoas. Claro que poderia ter analisado pontos pessoais, espirituais e etc., mas optei por analisar (inicialmente) os pontos profissionais e de negócios:
– NEGÓCIOS: Essa pessoa gera ou tem capacidade de gerar negócios para mim?
– RELACIONAMENTO: Essa pessoa gera ou tem a capacidade de gerar contatos com pessoas interessantes, capazes de gerar parcerias comerciais e até amizades valiosas?
– REPUTAÇÃO: Estar ao lado dessa pessoa gera imagem positiva para mim, no mercado de atuação profissional ou no ambiente de negócios em que atuo?
Separei 30 profissionais de ambos os sexos e fiz mapas mentais, colocando cada um(a) no centro das questões acima. Foi impressionante o que descobri: 58% me segue pelo conteúdo fornecido nas redes sociais, com conho mais socials e emocional; 42% são profissionais que compartilham de sensações e opiniões sobre negócios e empreendedorismo.
Era hora de entender que networking é uma via de mão dupla: "o que oferecer à pessoa selecionada?"Relacionar-se é trocar, colaborar, dar desconto, influenciar, levar algo, mas deixar em troca algo tão valioso quanto. No mundo corporativo a tônica é a mesma. Foi com esse pensamento que acionei cada uma dos(as) 30 profissionais e lancei-me ao mar, em busca de respostas se essa metodologia funcionaria.
O resultado foi mais interessante ainda. Em menos de três meses, já havia firmado novas parcerias, alguns negócios surgiram por indicação de clientes satisfeitos e amigos que entenderam – depois de séculos – o que eu vendia em minha consultoria.
Dos 30, 8 geraram negócios diretamente; 6 viraram parceiros; e 3 são formadores de opinião de ecossistemas diversos, que me promovem. Relacionar-se corretamente gera sempre boas coisas! Que venha 2018!
O próximo passo para aquecer os contatos com os(as) profissionais importantes para nosso trabalho – a partir do mês que vem – serão os eventos, estilo confrarias, para conectar pessoas com afinidades profissionais e colaborar com parceiras e parceiros.
Invista em Planejamentos e Estratégias para gerar negócios saudáveis. Se não tem procura do mercado, o melhor é reciclar seus relacionamentos e ir atrás de quem toma decisões. Bom, essas dicas do que aprendi sobre manutenção de networking deixo para um próximo artigo, OK? Abraços!
Thiago Ermano

Networker, Comunicador e Estrategista para a formação de Redes de Relacionamentos. É Gestor da agência da Reputação e Network Comunicar Bem e criador da primeira Escola de Networkers da América Latina.

Sem comentários no momento

Deixe um comentário